13/06/2021  02h14
· Guia 2021     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Luiz Moura
31/10/2005 - 08h30
Eu não sou Ágape
 
 

Três matérias publicadas seqüencialmente no semanário "A Cidade", de Ubatuba (SP), nas edições dos dias 08/10/2005 (O Grupo Limpeza - PT de Ubatuba manifesta aos filiados, simpatizantes e a população em geral que:), 15/10/2005 (Direito de resposta - Igreja Evangélica Ágape) e 22/10/2005 (É todo mundo Ágape) tiveram a minha especial atenção.

Na primeira matéria, um tal de Grupo Limpeza - PT (Partido dos Trabalhadores) de Ubatuba apresenta um manifesto endereçado a população, onde afirma o rompimento de Eduardo César com o PT no dia seguinte ao de sua eleição, fundamentado na exclusão do partido das decisões estratégicas do novo governo e na ausência das políticas públicas defendidas pelo PT. Afirma ainda que Ubatuba é governada por uma aliança de Eduardo César com a igreja Ágape que, com seus membros ocupou a administração municipal. Imputa preconceito e totalitarismo na conduta desta aliança. Termina o manifesto com o apoio expresso a um dos concorrentes a presidência do diretório municipal do PT que se realizaria no dia 09/10.

Na edição seguinte do jornal, após a derrota do candidato a presidência do diretório municipal apoiado pelo Grupo Limpeza - PT Ubatuba, a igreja Ágape, em direito de resposta pleiteado, declara não ter agora ou no passado, finalidade política e denuncia o manifesto como calunioso. Nega a existência da aliança e informa os procedimentos legais tomados contra o PT e o jornal A Cidade.

Até aí, o que eu tinha aferido era que um grupo do PT de Ubatuba, sabedor de sua derrota nas eleições para o diretório municipal e querendo fazer propaganda gratuita, apresentava seus últimos estertores. Naturalmente, a igreja Ágape não poderia ficar sem responder a acusações de burlar vários dispositivos legais ao agir em desacordo com o estabelecido em seus estatutos acrescentando uma "finalidade política" a suas atividades. O rebate a maneira de como estaria "governando" foi conseqüência.

Esperava que os derrotados nas eleições para o diretório municipal do PT, já com a viola no saco, recolher-se-iam a espera de novas "oportunidades políticas" e a igreja Ágape continuaria fazendo os trabalhos previstos em seus estatutos. Mas, na terceira matéria no "A Cidade" (22/10/2005), Alexandre A. Nunes, falando em nome da igreja Ágape e querendo ficar com a palavra final tasca um "É todo mundo Ágape".

Para engrossar o caldo, a Prefeitura divulga a realização, em plena avenida Iperoig, de um culto de ação de graças (27/10), pelo "Conselho de Pastores de Ubatuba" dirigido por Nunes. O mesmo "Conselho de Pastores" que conseguiu que a Prefeitura realizasse, em agosto, um evento gospel como se fosse uma festa gastronômica tipicamente caiçara. Evento com gastos e retorno questionáveis.

Em "É todo mundo Ágape", Nunes, se achando no direito de ensinar aos "formadores de opinião" a maneira de agir, esquece-se que é um deles. Pretensão e impertinência emanam da matéria. Como tivesse poder suficiente para fazer calar uma multidão curiosa em saber o que realmente está acontecendo entre sua organização e a administração Eduardo César, tergiversa.

Fico sem saber o que Nunes quis dizer com: "são crianças que confiam em seus educadores e pais", quando fala dos membros da igreja Ágape ocupantes de cargos públicos. Esclareço que de funcionário público não "se espera" honestidade e competência, exige-se! Quanto a "continuar ’procurando’ fazer o bem" (convicção expressa por Nunes em seu artigo referindo-se a igreja Ágape), recomendo que o façam, efetivamente, assim tendo jus, não só a sua existência, mas também a Declaração de Utilidade Pública auferida (citada na segunda matéria "Direito de resposta - Igreja Evangélica Ágape").

Diferentemente do português, o idioma grego denomina de forma distinta quatro tipos de Amor. Ágape é um deles. Necessitamos, também, dos outros três: Filia, Stergo e Eros.


Nota do Editor: Luiz Roberto de Moura é engenheiro civil e consultor de informática. Iniciou no jornalismo em 1970 como colaborador da Folha da Baixada. Na administração pública, em Ubatuba, dirigiu várias secretarias municipais. É o responsável pelo UbaWeb - O Portal de Ubatuba.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
12/06/2021 - 06h25 Insegurança alimentar no Brasil
11/06/2021 - 05h52 A lei do movimento certo
10/06/2021 - 06h06 Baixem a bola, todos, pelo Brasil
09/06/2021 - 06h17 Dois tesouros, dois amores, dois olhares
08/06/2021 - 05h57 A estúpida caça de policiais pelos criminosos
07/06/2021 - 06h33 Diga: paca, tatu; cutia não
ÚLTIMAS DA COLUNA "LUIZ MOURA"Índice da coluna "Luiz Moura"
30/06/2008 - 17h11 Dudu e seu “plano”... de governo (?)
21/12/2007 - 14h01 Eduardo Cesar além de dem... é mentiroso
27/10/2007 - 21h38 UbaWeb completa 10 anos
10/08/2007 - 14h02 Não há saco que agüente
31/07/2007 - 14h03 Cansei, mas...
20/07/2007 - 14h12 Terra Caiçara
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2021, UbaWeb. Direitos Reservados.