03/02/2023  11h22
· Guia 2023     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
03/12/2022 - 05h42
Abrace-o que dói menos
Dartagnan da Silva Zanela
 

Todos temos uma ferida na alma que nos dói e, por isso, algumas vezes, nos sentimos como alguém que partiu ou morreu, e entregamo-nos a uma sucessão de lamentos sem fim diante desse ou daquele problema que nos atinge, frente a uma e outra crítica que nos é dirigida.

Claro, nenhum de nós é de ferro, apesar de nos considerarmos fortes feito uma rocha, só porque repetimos algum “mantra” supostamente filosófico, ou pretensamente edificante.

Tanto não o somos que, incontáveis vezes, lá estamos nós, reclamando de tudo e de todos, menos de nós mesmos. Lá estamos nós, nos sentido melindrados, derrotados diante da vida, fazendo caras e bocas para que alguma alma generosa se apiede de nós.

É óbvio que nenhum de nós irá admitir que em algum momento nos entregamos a esse papelão - ridículo, porém, humanamente compreensível - porque só de lembrarmos que já fizemos isso inúmeras vezes, mais do que depressa sentimo-nos envergonhados e, mesmo assim, não conseguimos largar essa mania pra lá de feia.

Bem, não sou ninguém na ordem do dia para dar conselhos a alguém sobre como lidar com os perrengues da vida, porém, se derem uma licencinha a essa figura quixotesca, permitam-me dar um pitaco. Só um.

Toda vez que estivermos sentindo pena de nós mesmos, clamando aos céus para que alguém tenha dó da gente, faça o seguinte: chegando a noite, no momento em que formos dormir em nossa cama limpinha e confortável, deitemos em posição fetal, peguemos um crucifixo e durmamos abraçado com ele e, abraçado com o crucificado, procuremos lembrar de tudo o que está nos apoquentando e reflitamos sobre isso, abraçadinhos com Nosso Senhor crucificado.

Tenho certeza de que nosso mimimi desaparecerá num estalar de dedos. Tenho plena convicção de que o derrotismo transformar-se-á num desejo irresistível de servir ao próximo, de lutar pelo que é digno e justo, sem pestanejar, sem esmorecer, sem lamentar.

A vida é, como bem nos lembra a oração da “Salve Rainha”, um vale de lágrimas, não um mar de rosas. Por isso, abrace-o, seja forte e sirva ao próximo com amor, não com murmurações e lamentações.


Nota do Editor: Dartagnan da Silva Zanela é professor e ensaísta. Autor dos livros: Sofia Perennis, O Ponto Arquimédico, A Boa Luta, In Foro Conscientiae e Nas Mãos de Cronos - ensaios sociológicos; mantém o site Falsum committit, qui verum tacet.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
31/12/2022 - 07h25 Pacificação nacional, o objetivo maior
30/12/2022 - 05h39 A destruição das nações
29/12/2022 - 06h35 A salvação pela mão grande do Estado?
28/12/2022 - 06h41 A guinada na privatização do Porto de Santos
27/12/2022 - 07h38 Tecnologia e o sequestro do livre arbítrio humano
26/12/2022 - 07h46 Tudo passa, mas a Nação continua, sempre...
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2023, UbaWeb. Direitos Reservados.