01/07/2022  07h10
· Guia 2022     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Marcelo Sguassábia
09/05/2022 - 06h00
Caneca do Vladimir
 
 

Pouca gente sabe, mas o fato é que uma reles caneca de cerâmica é dos xodós mais estimados do Vladi, um dos homens mais poderosos do planeta.

Onde quer que esteja, onde seja o evento ou reunião oficial, lá está o copo térmico com o brasão russo ao lado do desalmado dono. E a estima vem de longe, da mais tenra infância para falar a verdade. Conterrâneos de São Petersburgo juram de pés juntos que ela já fazia parte da lancheira usada na Escolinha Pimpolhov Novinsky, estabelecimento onde o estadista teve contato com as primeiras letras.

Alguns anos mais tarde, o pequeno Vladimir se divertia a valer misturando na caneca amoníaco e laxante para produzir quantidades industriais de “sangue do diabo”, a ser entornado nos uniformes escolares dos colegas. Melhor dizendo: das colegas, preferencialmente na altura dos seios.

Na adolescência, o “sangue do diabo” deu lugar à excelente vodka russa, sendo este o líquido mais assíduo no recipiente daí em diante - nos anos de faculdade, passando pelos tempos de KGB e chegando à carreira política.

Bastante conhecida pelas milhares de fotos em que o dono a empunha, o astuto Vladimir teve a ideia de encomendar uma réplica da caneca para ser utilizada nos eventos públicos e diplomáticos. Contendo bebida alcoólica e deixada providencialmente ao lado do dono, servia de isca para possíveis tentativas de envenenamento. Já a original ficava escondida no bolso do sobretudo, abastecida regular e reservadamente com líquidos de primeiríssima qualidade por seus asseclas de confiança.

É sabido que a mítica caneca, nos últimos meses, anda permanentemente cheia de um líquido vermelho e viscoso, que jorra com abundância em um país vizinho à Rússia. E deste líquido, ao que parece, Vladimir se farta dia e noite. Lambendo os beiços, dá a entender que quer mais. Muito mais.

Esta é uma obra de ficção.


Nota do Editor: Marcelo Pirajá Sguassábia é redator publicitário em Campinas (SP), beatlemaníaco empedernido e adora livros e filmes que tratem sobre viagens no tempo. É colaborador do jornal O Municipio, de São João da Boa Vista, e tem coluna em diversas revistas eletrônicas.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
29/06/2022 - 06h19 Relembrando algo vivido
27/06/2022 - 06h48 A menininha
23/06/2022 - 06h25 Notre Pont
22/06/2022 - 06h41 Existem diversas faces no amor
21/06/2022 - 06h19 Caso de amor
19/06/2022 - 06h47 Menino teimoso
ÚLTIMAS DA COLUNA "MARCELO SGUASSáBIA"Índice da coluna "Marcelo Sguassábia"
14/06/2022 - 06h39 Piscina cheia
07/06/2022 - 06h25 Banco Alavanca S/A
30/05/2022 - 06h22 Trem doido
16/05/2022 - 06h27 Em números, na falta de palavras
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2022, UbaWeb. Direitos Reservados.