26/10/2020  18h32
· Guia 2020     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
COLUNISTA
Celso Fernandes
13/09/2020 - 07h16
Brasil Independência
 
 
Dos mais corretos aos corretíssimos de plantão!

Pela fala em cadeia nacional do nosso presidente Jair Bolsonaro, no último dia 7 de setembro, orquestrado por “banelaços” vindos e sabe-se lá de onde e porque músicos anti-governo, nada de desfile cívico-militar na Explanada dos Ministérios para evitar contágios pela maior doença que o país atravessa no momento. Muitos convidados participaram da solenidade durante o hasteamento da Bandeira Nacional como da execução do nosso Hino Nacional, esquadrilha da fumaça e distribuição de acenos, risos, semi-abraços, tapinhas ligeiros nas costas etc., o que não deveria deixar de ser pela data. Maiores autoridades, enfim, marcaram a presença com honras militares, desfile aéreo - sobretudo, com muita gente de outro lado, claro, mais aéreas ainda e necessitamos mencionar quem! Opositores.

Data que muitos dos tais plantonistas pensaram até em renúncia presidencial! Mas quem falou em renúncia senão os ora citados opositores que entendem de tudo pelo que passamos, por exemplo, em anos anteriores? Por certo, são apenas os novos - e velhos - conhecedores do assunto e que tem a saída para tudo. Digo, entrada e saída, assim, esquerda, volver.

Mais surpresas de efeitos politiqueiros colaterais misturados junto a ministros de Estado, do vice-presidente Hamilton Mourão. Discurso improvisado? “Sabia que não seria fácil. Uma coisa é você admirar uma pessoa. A outra é conviver com ela, trabalhar com ela”, improvisou então Bolsonaro. Idem, coisa que não faltou referências dirigidas ao então ministro Sergio Moro, como de suas decisões na Vara Federal de Curitiba, enquanto a Lava Jato já existia, sem ninguém negar seu brilhante também como juiz, autonomias de outros ministeriáveis e equipes.

Claro, a dança das cadeiras, que não foi falado. Principalmente em dia de Independência desde 1822 com o grito do Ipiranga, por Dom Pedro I, e o que representou mesmo a separação Brasil-Portugal.

Mas sem querer levantar polêmicas por aqui, bem como das conquistas que o país até então alcançou, vitórias, se ficamos livres realmente de muita coisa, como das desigualdades sociais, educação, saúde (com o trágico da pandemia presente), se atingimos de igual para igual a intitulada independência? Pendências, aliás, é algo que não nos falta diariamente, embora nossa luta continue a ser única e tamanha!


Nota do Editor: Celso Fernandes (modarougebatom.blog.terra.com.br), jornalista, poeta e escritor, autor de “As duas faces de Laura”, “O Sedutor”, “Sonho de Poeta” (Ed. Edicon), entre outros. Colunista de Moda, Cultura & TV, escreve semanalmente em jornais, revistas e sites relacionados às áreas.
PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
26/10/2020 - 06h15 Novas velhas promessas eleitorais
25/10/2020 - 07h00 Encrenqueiro
23/10/2020 - 07h03 Pia das Panelas, O Coito das Mortes
22/10/2020 - 06h16 Chimarrão, Chile e outros bichos
22/10/2020 - 06h12 Fogo devora até árvores e papéis
21/10/2020 - 06h28 Efetivamente poeta é um ser estranho
ÚLTIMAS DA COLUNA "CELSO FERNANDES"Índice da coluna "Celso Fernandes"
17/10/2020 - 06h38 Surpresas nada alarmantes
12/10/2020 - 06h24 Elegíveis inelegíveis, outra vez?
04/10/2020 - 05h59 Os tributos de cada um de nós
27/09/2020 - 07h11 Mandos e desmandos políticos
20/09/2020 - 07h19 Desoneração versus desonerações
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2020, UbaWeb. Direitos Reservados.