26/10/2020  18h36
· Guia 2020     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
25/09/2020 - 07h21
Tiberiano Aroeira, o coronel
Rangel Alves da Costa
 

Coronel Tiberiano Aroeira, também conhecido como Senhor do Vai-e-Vem, pois dono de tudo que ia e voltava, era homem de muitas e estranhas manias. Padre Licurguino morreu com hóstia envenenada exatamente porque caiu na besteira de dizer isso num sermão. Cavou a sepultura ao dizer que o velho coronel era também o senhor das manias maníacas.

Não precisava nem o coitado do vigário entrar nesta seara, pois todo mundo sabia disso. E sabia principalmente que a principal e mais odienta mania da velha cascavel era mandar matar, e qualquer um, fosse um inimigo do mesmo cabedal ou um desvalido de casinha de choupana de beira de estrada.

Realmente, o homem parecia não ter outra coisa a fazer que não viver maquinando esquisitices, maldades, coisas de arrepiar. Mas também presepadas de gente doida, maluquices desmedidas, excentricidades de toda sorte. Diziam que era também um mentiroso de marca maior. Mas quem era maluco passar isso na cara da serpente cheia de linho branco por cima?

Corria à boca miúda que havia mandado cavar um buraco nos escondidos do seu casarão. Buraco grande, até confortável para quem quisesse ali se esconder. E diziam que o poderoso não podia nem ouvir falar no nome de Lampião que corria para o dito buraco. E ali ficava rezando para que o grande justiceiro das caatingas não lhe aparecesse para fazer perguntas sobre uns certos desmandos.

Homem rico demais, coronel de patente política, senhor do voto de cabresto e da vida de todo mundo que tivesse a desdita de ter nascido na sua região, do seu casarão latifundiarista selava a sorte de tudo. E de todos. Jagunço pra mais de vinte, armas num arsenal, cabeças de inimigos guardadas em formol. De vez em quanto ia até a despensa macabra pra conversar com suas vítimas, principalmente dizer que estava pensando em mandar cortar sua língua, vez que falava e não ouvia resposta.

Confessou a um amigo político, gente de mando em todo o estado, que estava com vontade de relatar suas memórias para alguém que fosse mestre em escrever biografia de gente importante. Até já tinha o título da biografia: “Coronel Tiberiano: um anjo com asas e tudo”. O amigo pigarreou desconfiado, meio sem jeito, mas disse que no mais tardar cinco dias riscaria ali um memorialista de renome para transformar em livro uma vida de tantas glórias.

Três dias depois se apresentou ao coronel o esperado memorialista, biógrafo reconhecido pela veracidade nos fatos relatados. Era tido por todos como aquele que não admitia acrescentar nada além da mais pura verdade da vida do biografado. Mas se realmente fosse assim, eis que tinha um grande problema para resolver nos relatos da vida do poderoso.

O homem das letras marcou para começar a ouvi-lo logo na manhã do dia seguinte. Assim que sentou diante do enviado, o anfitrião foi logo dizendo que não se esquecesse de colocar no relato nada do que dissesse dali em diante. Afinal de contas o livro ia sair como sendo ele o próprio escritor. O letrado então logo começou a desconfiar que aquilo não ia dar certo. Mas o medo não lhe permitia discordar de nada.

Assim, com três dias de relatos o velho gravador já havia utilizado mais de dez fitas cassetes. E em todas a mais pura verdade, no dizer do biografado. Assim constava sobre o menino pobre, de família religiosa, que havia sido coroinha, e que até os vinte anos não tinha nem o que comer nem o que vestir. Num sonho, recebeu um aviso onde estava uma botija e sua vida se transformou totalmente daí em diante.

Repartiu com os pobres a maior parte da herança e com a sua parte comprou umas terrinhas, mas pensando em fazer uma propriedade comunitária. Toda riqueza conseguida daí em diante foi para fazer caridade, para auxiliar os necessitados, para dar casa e comida a quem não tinha. Mandou construir e reformar igrejas, erguer casas de saúde e, se continuava sendo um homem rico, talvez fosse pelo reconhecimento divino do seu bondoso coração.

O biógrafo estava em tempo de explodir, não suportando mais ouvir tantas mentiras e descaramentos. Até que arranjou coragem e perguntou se era verdade o que comentavam, com notícias dando conta de que ele era um covarde mandante de assassinatos, impiedoso com inimigos, a pessoa mais violenta e desumana que podia existir. E que se mijava todinho só de ouvir que o Capitão Lampião estava na região.

O coronel deu uma gargalhada de espantar bezerro, e disse em seguida, com olhos brilhando, que não havia no mundo alguém mais bondoso que ele, um verdadeiro anjo de pessoa, alguém que no seu coração cristão não admitia nem que matassem uma mosca. E acrescentou que jamais teve do que temer no maior dos cangaceiros, de quem, aliás, era compadre.

Como havia sido contratado para escrever sobre o que ouvia, e também pelo fato de que a precaução é amiga de muita coisa, três meses depois o memorialista voltou com um calhamaço de palavras bem trabalhadas. Colocou em frente ao coronel e disse que toda a verdade sobre a sua vida estava ali. Então o homem chamou dois jagunços e mandou que ficassem por trás do escritor enquanto este estivesse lendo o livro sobre sua vida.

A cada página o coronel se enchia de sorrisos, de encantamentos, ficava feliz. Assim mesmo havia relatado, dizia ele. Mas já depois de umas trinta páginas os jagunços começaram a se comportar de um jeito diferente. Um olhava pro outro desconfiado, vermelho, querendo desmentir tudo aquilo. De tanto esforço ouvindo tantos embustes, lá pelas tantas um deles, depois de arroxear, não suportou e caiu mortinho da silva.

O outro quis acudir o companheiro, porém o coronel exigiu que esquecesse e prestasse atenção na sua bonita e bondosa história. Mas quando o biógrafo leu que “Desde então, o Coronel Tiberiano Aroeira vive iluminado pelas graças divinas, cercado por anjos, um verdadeiro querubim espalhando a graça e a bondade entre os seus”, o outro jagunço não suportou mais e disse raivoso:

“Vai mentir assim na casa da peste. Esse homem num vale nada, nunca fez bem a ninguém. Bote aí que ele mandou matar mais de cem, que só vive pra fazer o mal. E bote aí também que ele disse que não é pra deixar vosmicê sair vivo daqui de jeito ninhum! Bota aí, bote!”.

Ao ouvir isso o coronel corou, desbotou, azedou, rosnou, mumunhou, revirou os olhos, tentou puxar a arma pra atirar no jagunço, mas teve de parar ao ouvir do seu próprio pistoleiro: “E bote aí tomem que ele morreu de morte matada, e por um cabra que num suporta mais viver de tanta mentira. Tome fi do cabrunco! Bote aí, bote. Tome fi da peste!”.

E disparou bem na testa do patrão. E as últimas palavras do coronel, do Senhor do Vai-e-Vem, foram exatamente essas: “Bote isso não...”. E descoronelou de vez.


Nota do Editor: Rangel Alves da Costa é poeta e cronista. Mantém o blog Ser tão / Sertão (blograngel-sertao.blogspot.com.br).

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
26/10/2020 - 06h15 Novas velhas promessas eleitorais
25/10/2020 - 07h00 Encrenqueiro
23/10/2020 - 07h03 Pia das Panelas, O Coito das Mortes
22/10/2020 - 06h16 Chimarrão, Chile e outros bichos
22/10/2020 - 06h12 Fogo devora até árvores e papéis
21/10/2020 - 06h28 Efetivamente poeta é um ser estranho
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2020, UbaWeb. Direitos Reservados.