08/07/2020  03h56
· Guia 2020     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
02/06/2020 - 07h44
Lição arretada
Dartagnan Ferraz
 

Era no tempo que este véio asmático teimava e se metia a jogar futebol. Nessa época, óbvio, não existia a bombinha, então o jeito era me entupir de comprimidos (Asmax, Filinasma e Tedral), antes de jogar tomava um monte. Mas só aguentava jogar no máximo meia hora. Mas, pasmem, assim mesmo era titular, jogava de ponta-de-lança (Roberto Rego sabe a função dessa posição), era fazer gols, inclusive de cabeça. Só que nunca cabeceei uma bola, meu cabelo duro de Gumex (senão caía na testa) permanecia com o penteado intacto. Eu era o camisa oito. A única habilidade que tinha era ser bom driblador, ficava paradão no bico da grande área economizando fôlego, quando recebia um passe tentava driblar o beque e usava o fôlego economizado, então às vezes fazia um gol. E quando isso acontecia pedia para sair.

Mas o fato que vou relatar não tem nada a ver com minha teimosia em jogar futebol, mas sucedeu numa delas. Fomos certo dia jogar numa cidadezinha do sertão. A embaixada foi em cima de um caminhão, na carroceria, na boléia só fomos o motorista, eu que tinha asma e o técnico (e presidente do time). Era perto, mas se tornava longe devido a estrada ser ruim, não existia asfalto.

Bom, chegamos, jogamos e perdemos o jogo por 4 x 3. Consegui jogar o primeiro tempo todo fazendo das tripas coração e fiz um gol. Depois do jogo, o chefe político do lugar que ficou muito satisfeito com a vitória do time da terra, nos convidou para tomar umas cervejas e comer uns tira-gostos na sua casa. Fomos. Foi uma festa de porteira aberta, tinha de tudo. Comemos e bebemos até meia noite quando voltamos. Teve ainda um arrasta-pé animado por uma sanfona, zabumba e triângulo e uma meia dúzia de garotas alegres. Quando já íamos saindo o lateral-direito do time, que não bebera nada e nem dançara, era um cara muito religioso e puritano, começou a implicar com o goleiro que bebera muito e dançara mais que a base com uma dona meio escolada. O santarrão estava dando uma lição de moral no goleiro, então o coronel ouviu a ladainha, se achegou junto aos dois, todo mundo olhando, vendo e ouvindo, e chamou a mulher dele:

- Zina vem cá!

Ela atendeu educada, atenciosa, uma senhora muito simpática, então ele lhe perguntou:

- Dina, dadonde eu te tirei para casar comigo?

Ela respondeu naturalmente:

- Você me tirou do cabaré, eu era puta.

O coroné concluiu:

- Tá vendo? E hoje chamam ela de locomotiva da sociedade. Mulé mais direita não tem no lugar. Deixe de ser metido a santo, menino. Vai ver que ainda é donzelo.

Mais não disse, mas na volta tiramos o couro do donzelo. Ele aprendeu a lição, pouco tempo depois desasnou. Inté.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
06/07/2020 - 07h35 Flexibilidade controlada?
05/07/2020 - 07h36 Pintura sem arte
03/07/2020 - 07h31 História da buchudinha
01/07/2020 - 07h26 Bom sabermos superar nossos medos e traumas
29/06/2020 - 07h16 Arrecadação canina
28/06/2020 - 06h50 Aparência
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2020, UbaWeb. Direitos Reservados.