05/06/2020  21h22
· Guia 2020     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
23/05/2020 - 07h58
Não dá para comparar (!?)
Paulo Arns da Cunha
 

Em uma roda de conversa, comparei a Educação brasileira à do Reino Unido e um colega alegou que não é possível comparar dois países tão diferentes, já que somos 35 vezes maiores que a terra da rainha Elizabeth. Segundo ele, países com melhor desempenho costumam ser pequenos, com sociedades homogêneas e coesas. Para provar que dimensão não interfere na qualidade da Educação de um país, vamos traçar um comparativo com o Canadá, o segundo maior país do mundo.

O Canadá não tem um sistema educacional único, pois é baseado em províncias autônomas. Mesmo assim, o comprometimento em oferecer oportunidades iguais na escola é um traço em comum entre todas as regiões do país. Apesar da dimensão continental, como temos aqui no Brasil, o Canadá não é uma nação de extremos - pelo contrário, seus resultados no Pisa (Programa para Avaliação Internacional de Alunos) mostram uma média alta, com pouca diferença entre os estudantes (mais ou menos favorecidos, social e financeiramente) e uma variação muito pequena entre diferentes escolas, em comparação com a média de países desenvolvidos. Os alunos estrangeiros (22%) conseguem manter o mesmo nível dos canadenses.

Além disso, há um forte investimento de base em alfabetização, com a contratação de educadores bem treinados, investimento em recursos como bibliotecas nas escolas e avaliações para identificar escolas ou alunos que possam estar enfrentando dificuldades. No Ensino Superior, 100% dos alunos canadenses estudam em universidades públicas, enquanto no Brasil, são apenas 25%.

A diferença na valorização do professor também é gritante: no Brasil, os professores ganham menos e lidam com turmas maiores do que seus pares na maioria dos países da OCDE. No Canadá, o ingresso na profissão de professor é altamente seletivo, os profissionais são reconhecidos, respeitados e muito bem pagos.

Enquanto a remuneração média dos professores brasileiros não passa de R$ 5 mil mensais, segundo a OCDE, em Toronto, por exemplo, o salário médio dos professores de escolas públicas é o equivalente a R$ 20 mil por mês. E além de ter um bom salário, os professores são instruídos a realizar cursos para atualização e aperfeiçoamento. Em sala de aula, os alunos fazem atividades para estimular o senso crítico e habilidades emocionais, como autocontrole, responsabilidade, organização, colaboração e iniciativa própria.

Depois de todos os meus argumentos, aquele meu colega encontrou outro pretexto para justificar o nosso atraso na Educação: o Canadá tem pouco mais de 37 milhões de habitantes, enquanto a população do Brasil ultrapassa os 202 milhões. Sendo assim, vamos falar da Educação na China, que tem mais de 1 bilhão de habitantes e disputa o topo do ranking do Pisa entre os 10 melhores. Mas isso é para outro artigo...


Nota do Editor: Paulo Arns da Cunha é diretor-executivo do Colégio Positivo.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
05/06/2020 - 07h47 Abrandamento da quarentena exige cuidados
05/06/2020 - 07h41 SUS: o desafio de ser único
04/06/2020 - 06h27 Há burocracia que vem para o bem
04/06/2020 - 06h23 Os planos de saúde e a Covid-19
03/06/2020 - 07h51 Os carroções da história
03/06/2020 - 07h47 Democracia para todos
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2020, UbaWeb. Direitos Reservados.