14/08/2020  11h29
· Guia 2020     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
10/01/2020 - 06h43
O sertanejo e o amor ao sertão
Rangel Alves da Costa
 

Amor ao sertão é a verdadeira expressão do verdadeiro amor. E amar o sertão acima de tudo, além do que sobre ele possa existir num momento. Amar o sertão da chuva e da seca.

Amar o sertão da colheita e dos campos esturricados de sol, o sertão familiar e aquele desconhecido, de forasteiro. Amar o sertão que tem lua grande, bela e majestosa, e um sol de mil sóis numa só fogueira de sina.

Amar o sertão desde o seu passado mais antigo, naqueles idos desbravadores, ao que ele no presente se mostra, com o moderno tantas vezes transformando tudo. Nada para no tempo, tudo caminha, bem assim no mundo sertão.

Minha identidade é sertaneja de raiz. No sertão eu nasci como a flor do mandacaru, o espinho da palma e a doçura do araçá. E sempre com imenso orgulho, ecoo por onde passo o grito de afirmação: sou sertanejo!

Sou sertanejo é o que sou. Mesmo estando longe ali estou, como andorinha que voou, mas que depois da seca voltou.

Sou sertanejo, e isso me faz orgulhoso. Sou feito umbu travoso, mas como o araçá saboroso, no fogão de lenha o cozido mais gostoso.

Sou sertanejo de vaquejada, de cavalgada, de cavalhada. De aboio e de toada, de canto vaqueiro na estrada, o eco da vaqueirama e da boiada.

Sou sertanejo de chapéu de couro e gibão, de peitoral e de cavalo alazão. Espora uso mais não nem açoito o animal da pele virar lanhão. O bicho é amigo, é irmão.

Sou sertanejo de casa de cipó e barro, ainda o carro-de-boi como carro e fumo de rolo no cigarro. Flor de plástico no meu jarro, à vida me lança e me agarro.

Sou sertanejo de moringa na janela, de rangido na cancela, de braseiro sob a panela e qualquer pão na tigela. Prato de estanho numa mesa tão singela e a humildade tão bela.

Sou sertanejo ainda de candeeiro, e eu mesmo bato tempero e colho pimento de cheiro. Nunca quis ser o primeiro, mas nunca o derradeiro, e tenho riqueza mais que dinheiro.

Sou sertanejo de porta aberta pra malhada, de carroça na sombreada, de poeirão na estrada. Mesmo a vida cansada, o rei sou eu nesse reinado de sol grande e luarada.

Sou sertanejo de semente e de grão, também de tristeza e de aflição se não chove no sertão. Quando o sol desce em clarão, entristecido eu penso no bicho em ruminação.

Sou sertanejo de leite bebido em curral, esguichado do peito animal, com um pouquinho de farinha e sal. Uma comida de sustança e que a ninguém já fez mal.

Sou sertanejo de graveto e cipó, de embornal e aió, da rolinha e curió, de laçadura e nó. Da pedra grande e do pó, em meio a tudo e tão só.

Sou sertanejo de sonhar com trovoada, de esperar a invernada, de orar pela chuvarada. Levo São José na estrada, procissão e caminhada para que do céu o trovão dê ribombada.
Sou sertanejo de um sertão tão sertão, de Padre Ciço e de Lampião, do Conselheiro e do Frei Damião. Tudo se revela ao coração não como apenas viver, mas como santa missão.

Sou sertanejo do mandacaru e xiquexique, da zabumba e do repique, da roupa de feira mais chique, de pinga da terra e alambique. E da perna de preá fazer piquenique.

Sou sertanejo da fé e da devoção, do rosário de contas e de oração, de oratório e de comunhão, do Padre Mário e seu sermão. E ouvir o que diz, e sentir emoção.

Sou sertanejo da terra de Dona Zefa parteira, do Mestre Tonho da aroeira, do Mestre Orlando da algibeira, de Naní nossa doceira, de Zé Leno e sua arte cangaceira.

Sou sertanejo de um sertão que é de Alcino, do caçador Mané de Tino, de Felipe o menino que faz do xaxado um destino. Um sertão assim, como na escrita de Belarmino.

Sou sertanejo do Velho Chico em ribeira, da história cangaceira, da pomada de peixe-boi ainda vendida na feira. E daquela panelada que o cheiro vai além da cumeeira.

Sou sertanejo do passado e da memória, do proseado e da história, do sofrimento e da glória, até daquele cigarro antigo, o Continental e Astória.

Sou sertanejo daquele forró do Miltinho, da novena em Curralinho, de toda estrada e caminho. Daquele leilão tão antigo que recordo com carinho.

Sou sertanejo como a Família Vito a tocar, como Geno a aboiar, como Niltão a ecoar a toada tão tristonha da vaqueirama que foi pro céu vaquejar.

Sou sertanejo daquele mesmo sertão que um dia foi de Zé de Julião e que hoje, com o merecido perdão, está entregue ao desvão, nas mãos de uma gente estranha que não é pai nem irmão.

Sou deste sertão que me faz caminhar pela terra nua em busca de suas raízes. E cada relíquia encontrada é como se eu estivesse espelhado desde os primeiros dias.


Nota do Editor: Rangel Alves da Costa é poeta e cronista. Mantém o blog Ser tão / Sertão (blograngel-sertao.blogspot.com.br).

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
14/08/2020 - 06h41 Cheirando a mato, a sertão, a viver...
13/08/2020 - 06h50 Destino e felicidade
12/08/2020 - 07h01 Entendendo questões adolescentes
11/08/2020 - 07h00 Café pingado
10/08/2020 - 07h07 On-mício, e-leições
09/08/2020 - 05h35 Não há ninguém perfeito
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2020, UbaWeb. Direitos Reservados.