12/12/2019  00h33
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
03/12/2019 - 06h15
Parlamentares usando celular durante as sessões
Osmar Bria
 
Como o eleitor avalia?

Ver uma foto ou vídeo de um parlamentar mexendo no celular durante uma sessão legislativa já é algo comum em Brasília e em todo o Brasil. Porém, como os eleitores enxergam essa atitude?

O eleitor pode ter um sentimento negativo ao ver algum político usando o celular durante as sessões. Ao credenciar o mandatário com o seu voto, de alguma forma, o eleitor observa o comportamento do político com um foco mais específico. Quando ele vê o parlamentar usando o celular na sessão, seu subconsciente é ativado gerando os hormônios neurotransmissores à base de adrenalina e cortisol que vão gerar um estado emocional compatível com estresse. Neste caso, a emoção invocada é de desaprovação, uma mistura de raiva com decepção.

Um dos motivos é o fato de que os eleitores estão ficando mais exigentes na hora de votar. O eleitor passou a conhecer melhor onde o seu voto o conduz. O importante aqui é a pessoa aproveitar essa velocidade no sentido de cobrar do parlamentar o comportamento que a levou a escolhê-lo. O voto ainda é sua melhor arma de desaprovação e protesto.

O parlamentar deve manter as mesmas atitudes que teve durante as eleições. O comportamento adequado é a reprodução da postura que o elegeu, aquela que gerou a semelhança, a confiança, simpatia, a intenção e o voto. Chamo isso de “identidade positiva”, que é o conjunto de competências comportamentais que levaram o eleitor a depositar seu voto de confiança no candidato.

A conduta do político pode influenciar diretamente no seu desempenho durante uma eleição. O comportamento é o definidor do seu resultado. Mudança comportamental significa, invariavelmente, uma mudança de resultado, levando-se em consideração que o parlamentar foi eleito por um grupo de pessoas e ele reproduz um comportamento que é apoiado por elas. É preciso amparar a conexão das ideias e dos comportamentos de seus eleitores, sendo uma porta de entrada de um universo representativo..

O celular hoje é a maior arma do agente político. O problema é que você pode se ferir com a própria arma. Por isso, é fundamental estar atento à conduta perante ao público para não acabar “dando um tiro no próprio pé”.


Nota do Editor: Osmar Bria é especialista em Análise Comportamental e presidente da Associação Brasileira de Alta Performance.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
11/12/2019 - 05h09 Os candidatos avulsos e os partidos
11/12/2019 - 05h05 Os contaminantes emergentes
10/12/2019 - 06h45 Democracia e tirania
10/12/2019 - 06h41 Filhos em férias. E agora?
09/12/2019 - 07h22 Professor sem emprego e renda
09/12/2019 - 07h18 A exclusão e o pancadão
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.