22/11/2019  04h20
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
07/11/2019 - 05h56
Deficiência intelectual x doença mental
Gustavo França
 
Desafios e caminhos

O cotidiano de uma pessoa com deficiência, desde o período do extermínio (momento da história em que as pessoas com deficiência eram mortas), não é uma tarefa fácil. Contudo, esse cenário vem mudando, a passos de tartaruga, e cada passo se torna uma vitória, passando pelo período do extermínio, integração e até finalmente o período da inclusão, ou como eu gosto de nomear: período da inclusão informacional.

Neste sentido, a trajetória que aqui buscamos traçar é a respeito das pessoas com deficiência intelectual, suas nomenclaturas e diferenças daqueles indivíduos com doença mental. Durante muitas décadas esse público foi chamado de dementes, retardados, mongóis, dentre outros termos pejorativos. De acordo com as políticas públicas e documentos oficiais desenvolvidos pelo Ministério da Saúde e Ministério da Educação, a nomenclatura correta é ‘pessoa com deficiência’.

Além disso, devemos entender que a deficiência intelectual é diferente da doença mental. A primeira se configura como limitações no desenvolvimento cognitivo e nas questões adaptativas. Assim, para o indivíduo ser considerado uma pessoa com deficiência intelectual, é necessário obter um diagnóstico multidisciplinar elaborado por médicos, psicólogos e psicopedagogos, com aplicação de testes psicométricos, que devem trazer como resultados menos de 70-75 no teste de QI.

Já as doenças mentais se configuram como doenças psiquiátricas, transtornos e distúrbios específicos, que em sua grande maioria modificam o comportamento do sujeito, bem como o humor, alterando a percepção, sensação e sentidos.

Não devemos confundir os dois termos, tendo em vista que o atendimento de cada um deles é diferenciado e as implicações também são diferenciadas. Devemos entender que a deficiência intelectual trará consigo especificidades, como por exemplo, cuidados especiais, comunicação alternativa, tecnologia assistida, principalmente no que tange ao processo de ensino e aprendizagem desse sujeito em fase escolar.


Nota do Editor: Gustavo França é professor do curso de Pedagogia, Psicopedagogia e Educação Especial do Centro Universitário Internacional Uninter.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
21/11/2019 - 06h45 Como combater a demissão pós licença-maternidade?
21/11/2019 - 06h41 Procedimento de segurança
20/11/2019 - 06h40 Reformas em busca do tempo perdido
20/11/2019 - 06h35 Será o fim dos conselhos de classe?
19/11/2019 - 06h15 Por que o STF faz tanto mal ao Brasil
19/11/2019 - 06h11 Gestores escolares - quando todos saem ganhando
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.