15/10/2019  08h01
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
04/10/2019 - 06h39
O cangaceiro e a missa
Rangel Alves da Costa
 

Esse pedaço de história já foi contado, debulhado, peneirado e novamente contado, mas vou debulhar novamente porque sem o seu mote não há como chegar ao final, principalmente por que tudo começou quando a cruz se deparou com a espada e a batina ameaçou a cartucheira de excomungamento sem fim. Vixe Maria!

Aquela mesma história do encontro entre o sacerdote Artur Passos, da Paróquia de Porto da Folha, mas na povoação de Poço Redondo para celebração de missa, e o Capitão Virgulino Ferreira, o temido e terrível Lampião. O encontro entre os dois, na casa de China de Poço e sua esposa Marieta, de impossível fiel descrição, assemelhou-se mais ao encontro do acaso com o inesperado. Mas aconteceu.

A verdade é que no ano dia 19 de abril de 1929, o Padre Arthur Passos, vigário de Porto da Folha e região sertaneja, tendo chegado de sua paróquia a Poço Redondo em lombo de burro, cansado e exausto logo procurou guarida no local de repouso de sempre: a casa de China e Marieta. Chegou, foi acomodado num quarto, trancou a porta e logo adormeceu. Descanso necessário porque logo mais celebraria missa na igrejinha logo do outro lado da casa do casal sertanejo.

Mas no mesmo dia, e chegando em direção à mesma moradia, eis que desponta Lampião e parte de seu bando. Eita gota serena, e agora? Lampião batendo à porta da mesma casa onde o acabrunhado vigário descansava, e agora? Seria o dia do Juízo Final? Não era ainda o tempo do Apocalipse, mas naquele dia os ares sertanejos estavam anuviados e carregados demais para um dia de sol.

Imaginem vocês qual a reação do casal ante a chegada do mais famoso dos cangaceiros. Contudo, não pelo fato da presença de Lampião e parte do bando, mas pelo que poderia ocorrer acaso o Padre Artur de repente abrisse a porta do quarto e desse de cara com rei do cangaço. Toda a preocupação do casal era essa, era de não saber qual poderia ser a reação do sacerdote perante a presença do rei das caatingas, daquele homem tido como sanguinário e algoz. Mas não somente isso. E qual seria a reação de Lampião ante o inimigo do pecador?

Dona Marieta começou a suar frio. China do Poço começou a avermelhar. As reações eram tão aparentes que Lampião perguntou o que estava acontecendo. Então o casal juntou forças e contou tudo. Mas ao invés de o mundo se acabar, o que se viu em seguida foi algo verdadeiramente singelo e respeitoso. O rei cangaceiro simplesmente pediu para ir bater à porta do padre, avisar que estava ali e, em paz, queria somente cumprimentá-lo. Tudo resolvido para o casal e o cangaceiro, mas não para o vigário, que quando soube de quem se tratava quase chamou os canhões do mundo.

Impertinência do padre, apenas isso. Demonstração de descabido orgulho e poder do vigário, nada mais que isso. Ora, se um liderava sua paróquia, o outro liderava um sertão inteiro. Ou alguém duvida disso? Acabaram brindando o mesmo vinho de jurubeba e sentando à mesma mesa para um desmedido regabofe sertanejo. Contudo, enquanto comia e bebia, Lampião atinava em dar outro bote. Qual seria? Simplesmente dizer ao padre que ele e seu bando tinham interesse em assistir missa. Como de fato ocorreu.

Ante o pedido do Capitão, e mais uma vez querendo afastar seu reinado de impuros e pecadores, certamente que o vigário se fez de meditativo antes de responder. Nada disso ele disse, mas não deixou de dialogar em pensamento acerca de outras situações envolvendo Lampião e a igreja. Veio-lhe à mente a amizade entre o cangaceiro e o Padre Cícero, a devoção daquele perante este. E também a conhecida religiosidade de Virgulino, devoto de Nossa Senhora e jamais afastado de orações. Por fim, aceitou.

Mesmo reformada diversas vezes, a igreja daquela missa ainda está no mesmo lugar, ainda se localiza na principal praça de Poço Redondo. Naqueles idos de 29, enquanto os católicos sertanejos se apertavam nas laterais e na entrada, já pertinho do altar, perante o vigário em fervor da liturgia, a cangaceirama a tudo assistia, de modo silencioso, e alguns até com mãos unidas em oração. E talvez numa passagem do Sermão da Montanha, o sacerdote quase gritou:

“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos. Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, falarem todo mal contra vós por minha causa...”. Quando mais as bem-aventuranças falavam em injustiça e perseguição, mais Lampião se agitava querendo falar. E disse, por fim:

“Bem-aventurados sejamos nós, homens incompreendidos e perseguidos pelo poder, caçados como desumanos e emboscados como feras, pois eles têm o poder da traição, e nós temos o poder da luta contra a injustiça”. E depois todos se despediram e cada um seguiu seu destino.


Nota do Editor: Rangel Alves da Costa é poeta e cronista. Mantém o blog Ser tão / Sertão (blograngel-sertao.blogspot.com.br).

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
15/10/2019 - 06h26 Olha a faca!
14/10/2019 - 06h51 Expectativa de vida
13/10/2019 - 07h04 Religiosos picaretas
13/10/2019 - 07h00 A partilha bem dividida
12/10/2019 - 06h36 O ser SOLIDÁRIO
11/10/2019 - 07h28 O caçador
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.