23/08/2019  03h34
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
10/06/2019 - 06h23
Sustentabilidade: um caminho possível
José Márcio Freitas Pereira
 

A relação do homem com o meio ambiente é uma das dualidades mais citadas no mundo atual, diante de cada vez mais catástrofes que antes pareciam apenas acontecer do outro lado do mundo e agora nos surpreendem com mais frequência em qualquer parte do planeta, bem diante dos nossos olhos. Neste contexto, uma palavra que tem ganhado relevância é a escassez. Está claro para todos os setores e para os estudiosos das questões ambientais que os recursos naturais são finitos e colocam a vida do homem em xeque. Se buscarmos a verdadeira raiz dos problemas que afetam a humanidade, a questão ambiental e suas repercussões estão no topo das diretrizes dos países no mundo todo. São alvos de intensos debates e reflexão nas corporações diversas, nas rodas de conversas, entre os ativistas, os empreendedores e já fazem parte da educação básica. Enfim, um problema de todos, em qualquer localidade.

Nos últimos anos uma outra palavra ganhou a cena e vem sendo empregada de forma arbitrária: a sustentabilidade. Afinal o que ela significa? O que veio nos ensinar e por que é tão importante para que neste momento a humanidade entenda as regras do jogo? Segundo o dicionário, a sustentabilidade é a capacidade de sustentação ou conservação de um processo ou sistema. Ela deriva do latim sustentare e significa sustentar, apoiar, conservar e cuidar.

Trata-se de um tema que não pode ser confundido com modismos. Compreendê-la ou não integralmente pode nos dar uma diretriz capaz de nos levar à segurança ou ao caos de se viver no planeta Terra. Somente a inserção desta palavra em nosso cotidiano, como uma atitude, ação comportamental, coesão e consciência, poderá nos permitir reescrever a história e o futuro de nossas gerações.

No mercado da construção civil, essa palavra tem extrema relevância. Afinal, o que vale um empreendimento se ele não é edificado em um espaço sustentável? Temos que ter em mente que a preocupação com segurança, meio ambiente, conforto - torna-se tão importante quanto o tamanho, a localização e o valor de um determinado empreendimento.

Quando pensamos em impulsionar o desenvolvimento urbano, possibilitar moradia de conforto, praticidade e bem-estar, de nada valem estes pré-requisitos se não projetarmos a longevidade de uma obra, se não calcularmos os impactos que ela causa no meio externo, na vida das pessoas que vão morar nela. Tudo isso tem um valor agregado, que não é mais permitido se desprezar.

Vivemos numa era em que os negócios exigem transparência para crescer, assim como um determinado produto de consumo precisa ter valores embutidos para conquistar o respeito e a confiança do público.

Qualquer líder neste mercado de possibilidades precisa compreender que é preciso assumir responsabilidades, inverter a rota dos acontecimentos, inovar com ousadia e razão.

O primeiro passo para vencermos nossas limitações e criarmos uma nova ressonância de harmonia para o planeta é reconhecermos a necessidade de mudanças. Chegou a hora em que é preciso quebrarmos os paradigmas e aperfeiçoarmos as tecnologias.

No mercado da construção, uma inovação que cada vez mais chega para ficar é a utilização dos produtos pré-fabricados ou pré-moldados com o objetivo de viabilizar a sua utilização de forma mais ampla. É possível adotar pequenas mudanças como dar preferência aos valores da sustentabilidade, usar produtos certificados, reutilizar recursos, adotar a economia como opção.

Temos muito a aprender ainda, mas estamos no caminho. Um fato está do nosso lado: o brasileiro é muito criativo e sabe enfrentar dificuldades. As nossas pequenas ousadias e a criatividade contida no nosso DNA podem nos elevar a um patamar que outros países ainda levarão mais tempo para chegar. As gerações futuras que aprenderem a driblar o sentimento de que temos pouco e adquirirem nova postura ambiental poderão trocar, quem sabe, a palavra escassez pela abundância que todos procuram.


Nota do Editor: José Márcio Freitas Pereira é engenheiro civil e diretor de engenharia da Vitta Residencial Construtora.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
22/08/2019 - 06h55 Direito na tecnologia e tecnologia no Direito
22/08/2019 - 06h51 MP da Liberdade Econômica: libertará mesmo?
21/08/2019 - 07h00 Realinhar universidade e comunidade
21/08/2019 - 06h56 Cacarejos no estado-espetáculo
20/08/2019 - 05h07 Os canalhas não passarão!
20/08/2019 - 05h03 As boas brasileiras
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.