18/02/2019  10h29
· Guia 2019     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
17/01/2019 - 06h54
Quem ri chora
Damião Ramos Cavalcanti
 

O óbvio, muitas vezes, precisa ser dito. Foi assim que Aristóteles pensou revelar uma antiga “novidade”, ele já tinha nascido com ela: “O homem é um animal risível” ou que, sobre o qual, até o prezado leitor ri. Afinal, “todas e todos” temos os músculos “risórios de Santorini”... Quando ele falou “homem”, quis dizer também mulher; sobretudo elas, acredito eu, por terem mais sentimento do que os machos, riem e choram mais do que os homens, ganhando pra si quase toda a fama de chorar.

Por isso, Gonzaga, seguindo os costumes de Alagoa Nova, perguntou à Dona Antonina: “Mãe, homem chora?” Ela, tendo convivido com o filho nas horas de dor, respondeu pelo ‘bom senso’: “Se a pancada for na canela, diz nome feio; se, no coração, chora”. O filho se lembrou que dizia mais nome feio do que chorava, mas que do choro não escapava. Quando Biu Ramos morreu, vi Gonzaga chorando, e Martinho, disfarçadamente, num “vale de lágrimas”. Eles não são daqueles que, para chorar, trancam-se no banheiro; têm a coragem de chorar na frente dos outros; não como Sérgio e Hildeberto, que facilmente enchem os olhos d’água, ao escutar bela poesia. Enfim, quem ri chora, até Lampião, o rei do cangaço, porém fora dos momentos de raiva e de vingança...

Contou-me o cronista Sitonio que o rurícola Zé de Ambrósio, da região do Seridó, no semiárido, entre Patos e Caicó, nos tempos de seca, fazia espetáculo com seu animal, anunciando, na porteira do quintal: “O cavalo que ri”. Logo se ouvia a frustração dos pagantes: “Ele só alevanta os beiços”. Arrogante, o dono do cavalo prestava conta: “E mostra os dentes...” Nunca procurei verificar o que dizem por aí: As hienas riem... Mas, desconfio tanto delas como do cavalo de Zé Ambrósio. Os homens, mesmo os ainda metidos a macho, choram; sobretudo como eu e Gonzaga, quando, emocionados, recebemos pancada no coração. Ou, assim como nos despertou Aristóteles: sempre rimos, quando bate e bate o coração.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
18/02/2019 - 06h40 Sagrada mudança
17/02/2019 - 06h46 Meu radinho de pilha
16/02/2019 - 10h57 Perdi a chave do meu quarto de saudade
15/02/2019 - 06h00 Meu amigo monstro
14/02/2019 - 07h00 E a idade avança
13/02/2019 - 07h33 Uma crônica sobre o conto
· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2019, UbaWeb. Direitos Reservados.