19/11/2018  15h34
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
09/11/2018 - 07h08
As mudanças e o equilíbrio desejado
Dirceu Cardoso Gonçalves
 

Passadas as eleições e conhecidos os eleitos, chegou a hora do equilíbrio. É certo que, pelo resultado das urnas, o país passará por grandes transformações e, muito mais do que uma guinada da esquerda para a direita, terá de contar com o bom senso, tanto dos que entram quanto dos que saem ou já saíram da administração e da cena política. Não devem os eleitos e seus seguidores partir para medidas intempestivas e nem retaliadoras, assim como os que saem (ou saíram) se apegar aos conceitos vencidos pela força das urnas e com isso tentar impedir o trabalho do novo governo. Todos nós - vencedores e vencidos -, enquanto cidadãos, temos um país para cuidar, cada um na sua posição, e o que mais precisamos é de paz e lucidez.

A nomeação de Sérgio Moro para a Justiça é uma grande esperança e tudo que se fizer contra é tentativa de impedir o avanço. Da mesma forma, a escolha de ministros sem a barganha por votos congressuais, tende a conferir mais respeitabilidade ao governo prestes a se instalar. Carecemos de paz para trabalhar e progredir. Espera-se que o Executivo tenha todas as condições e equilíbrio para atender as demandas do povo, o Legislativo seja capaz de exercer a sua tarefa de aperfeiçoamento legal e fiscalização sem subordinação ou interesses subalternos, e o Judiciário constitua aquele desejável poder moderador que garante a Constituição e o equilíbrio para o bom funcionamento dos outros poderes sem, contudo, usurpar-lhes as funções.

O momento é de virada de ciclo político-administrativo. São bem vindos os propósitos de reduzir o tamanho da máquina de governo e, principalmente, dela extirpar os cabos eleitorais, parentes e indicados de partidos e figurões, que pouco ou nada produzem mas pesam demasiadamente no orçamento. A Educação precisa ser desideologizada, a Saúde melhorada através de investimentos e procedimentos adequados e a voracidade tributária contida a níveis que não penalizem o contribuinte. A segurança pública, o sistema penal e os controles sociais devem ser ativos e também fugirem da ideologia, pois existem para servir e garantir o equilíbrio e a salubridade da vida da população.

Precisamos reconquistar o país confiante, justo e solidário, onde haja a prevalência do cidadão, onde militantes só existam nos partidos políticos e atuem nas áreas específicas. As repartições, os serviços, a sociedade e principalmente a rede de ensino devem estar permanentemente a serviço de toda a população, jamais de grupos...


Nota do Editor: Dirceu Cardoso Gonçalves é tenente da Polícia Militar do Estado de São Paulo e dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
19/11/2018 - 07h03 Os médicos cubanos e a saúde no Brasil
19/11/2018 - 06h59 Stan Lee - in memorian
18/11/2018 - 07h21 Desafios internacionais do novo governo
17/11/2018 - 08h02 Notas dum diário sem capa e sem data - Página II
16/11/2018 - 06h42 A nova receita segurança pública
16/11/2018 - 06h38 Sobre a vida






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.