19/11/2018  15h35
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
14/09/2018 - 05h19
A batida do feijão
Rangel Alves da Costa
 

Pretendo em verso cantar um ofício tão distinto que foi perdendo o seu lugar, um afazer sertanejo que hoje quase não há, que é a batida do feijão e todo o seu rodear, desde a colheita da baje ao grão e seu ensacar. Coisa comum noutros dias, num passado de alegrias, onde nem mesmo a pobreza tirava suas magias, na simplicidade de um povo suas lutas e valentias. O comum entre os comuns, nas vidas mais arredias, nas vidas de sopro e vento e de domar ventanias. Toda a vida de um povo e suas alegorias.

No sertão de antigamente, e na saudade que a gente sente, a batida de feijão era um festejar diferente. Ao sertanejo o melhor presente, no viver o que lhe consente. Das roças mais afastadas, ou daquelas nos beirais das estradas, os animais em duras jornadas para transportar as braçadas. Nos lombos as caçuadas ou nos carros-de-bois as carradas, até chegar à cidade e espalhar nas calçadas.

Colheitas nos cantos guardadas, protegidas nas leitadas, temia-se que a qualquer hora caíssem as chuvaradas. Mas depois no amanhecer, com as asas do sol desfraldadas, o feijão era espalhado nas ruas empoeiradas, até que as bajes úmidas fossem ficando ressecadas. E assim dia após dia até que todas as bajes ficassem como tostadas, era sinal de estarem prontas para serem alquebradas.

No dia do batimento as amizades enlaçadas, chegavam muitos amigos ajudando as empreitadas. Juntavam tudo aos montes, de alturas elevadas, após desciam o porrete até baixarem as juntadas. Dependendo do feijão, muitas eram as braçadas, muitos eram os esforços e imensas as poeiradas. De madeira à mão, forças sendo lançadas, bate que bate o feijão, batiam as mãos calejadas.

Os grãos separados das cascas, pulando pelas pancadas, depois juntados ao redor para os trabalhos de ensacadas, quando não eram peneirados e as bagaceiras afastadas. Nos quintais e afastados, outras difíceis jornadas pra peneirar o feijão e as impurezas derramadas. Na peneira sertaneja, as mãos jamais descansadas, penera mais que penera, chega mais peneiradas. Pelos ares a sujeira dos pós e das poeiradas.

Eram lidas cansativas, mas logo depois festejadas. Nos aboios e toadas, nas pingas extravasadas, o forramento da barriga para as grandes paneladas, carnes fritas e torradas, mas também as feijoadas. Forró bom pelo salão, namoros pelas noitadas, chamegos de todo lado, fogueiras em faiscadas.

Assim o feijão batido na batida do passado, ofício tão sertanejo como a vida de gado, hoje pouco inexistente ou já pelo tempo levado, mas deixando uma saudade de olho ficar marejado.


Nota do Editor: Rangel Alves da Costa é poeta e cronista. Mantém o blog Ser tão / Sertão (blograngel-sertao.blogspot.com.br).

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
19/11/2018 - 07h01 O que fazer com as cabines londrinas?
18/11/2018 - 07h23 Enfeitando o maracá da história
18/11/2018 - 07h19 Auxílios, salários apertados e benefícios!
17/11/2018 - 08h04 Velho herói
16/11/2018 - 06h40 Cozinhas e quintais
15/11/2018 - 07h17 O que faz um sorriso






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.