17/10/2018  20h18
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Economia e Negócios
09/08/2018 - 07h41
Devo aceitar um salário menor?
Fernanda Andrade
 

A realidade do mercado atual é de quase 14 milhões de desempregados, sendo que essa crise trouxe outra dura realidade aos profissionais brasileiros. Segundo estimativas, as remunerações tiveram uma queda em torno de 40%. Ou seja, quem está empregado ganha, em média, apenas 60% do que os profissionais com a mesma função recebiam alguns anos atrás.

Diante desse fato, a busca por recolocação demanda uma importante reflexão sobre esse assunto. Os candidatos precisam levar em consideração a possibilidade de ganharem menos do que ganhavam em seu último emprego. É preciso se adaptar à nova realidade e, demonstrar flexibilidade na hora de negociar o salário.

Pensando nisso, nada de colocar a pretensão salarial no currículo. Esse tem que ser um item para ser abordado pessoalmente, mediante uma negociação. Evidentemente, o candidato não pode demonstrar desespero, a ponto de dizer que aceita qualquer quantia. É preciso se valorizar, mas sem ignorar a situação pela qual atravessa o país.

Ao contrário do que muitos pensam, aceitar ganhar menos não significa “sujar a carteira”, como se dizia antigamente. Até porque o modelo de contratação vem se transformando. Carteira assinada não é mais a única possibilidade de trabalho. Muitas pessoas descobriram novas oportunidades sob demanda. Muitos se transformaram em consultores independentes ou em prestadores de serviços por meio de pessoa jurídica.

Mais do que a remuneração, os profissionais precisam avaliar as propostas por inteiro. Muitas empresas oferecem bons pacotes de benefícios, que incluem vales alimentação, refeição, transporte, participação nos lucros, entre outros. Às vezes, quando levadas em consideração, essas vantagens acabam até ultrapassando o salário anterior.

Além disso, um bom profissional sabe que a remuneração não é o único fator a ser considerado. Muitas vezes, o profissional sai ganhando mesmo com uma remuneração menor, devido a algumas facilidades como um emprego mais perto de sua casa, ou que ofereça a possibilidade de home office, por exemplo. Ter mais tempo para a família ou para si mesmo também é um grande benefício.

Outra questão importante a se considerar são as oportunidades de desenvolvimento de carreira. Se o salário não é ideal, mas a proposta está alinhada ao seu plano profissional, talvez compense. Precisamos sempre buscar uma carreira que nos traga felicidade e não apenas recursos materiais.

Nesse sentido, é preciso considerar e avaliar bem o cargo a ser exercido, a oportunidade de crescimento na empresa, a possibilidade de aprendizado, entre tantas outras questões intangíveis. Em muitos momentos, um passo para trás ou para o lado são determinantes para uma jornada de sucesso. Só não vale a pena ficar parado.


Nota do Editor: Fernanda Andrade é Gerente de Hunting e Outplacement da NVH - Human Intelligence (www.nvhhuman.com.br).

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "ECONOMIA E NEGÓCIOS"Índice das publicações sobre "ECONOMIA E NEGÓCIOS"
11/10/2018 - 06h57 Devo aceitar trabalho temporário ou por projeto?
05/10/2018 - 06h50 Como evitar o fiado e reduzir a inadimplência
02/10/2018 - 06h59 Como aproveitar a época de contratação temporária?
25/09/2018 - 06h41 Cotas do PIS/Pasep: prazo termina esta semana
24/09/2018 - 06h42 Dicas financeiras para o período eleitoral
23/09/2018 - 07h02 Empresas Low Cost na aviação brasileira






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.