20/05/2018  23h58
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Direito e Justiça
29/04/2018 - 06h10
Obrigações jurídicas
Carla Graziela Porto
 

Inicialmente, faz-se necessário esclarecer que o objetivo principal deste artigo é fazer com que o leitor compreenda a importância no mundo jurídico e na vida do indivíduo, do cumprimento de uma obrigação. Sabemos que o homem, por natureza, é tendente a infringir, a não respeitar e reconhecer os seus limites. Este instinto humano, que por muitas vezes extrapola, prejudica e invade o direito de outrem, carece de regras para que a convivência na coletividade seja possível e pacífica.

As consequências das perdas, danos e juros do não cumprimento das obrigações, estudados no direito obrigacional, estão regradas entre os artigos 402 a 407 da Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002, o Código Civil.

No termo “obrigação” em sentido amplo tem como entendimento generalizado, podendo se conceituar que em um contrato existe uma obrigação de pagar o que se compra, respeitando o direito alheio, procedendo a condizente com a moral e bons costumes e com o ordenamento jurídico vigente. Compreendendo se a existência de diferentes modalidades de obrigações, classificando-as como deveres, ou obrigações morais, ou, em sentido talvez mais preciso, compromissos e responsabilidades.

Contudo em qualquer circunstância, o cumprimento de uma obrigação deve ser entendido como a regra, e não exceção, e a ausência desse cumprimento de uma obrigação põe o sujeito em mora, o obrigando a assumir o ônus decorrente da sua falta, do seu inadimplemento.

Com relação entre todos os indivíduos de uma sociedade exige o dever negativo de não causar dano a ninguém. Tal entendimento origina se já desde as primeiras legislações, que a ocorrendo, o inadimplemento obrigacional ou um prejuízo a outrem, surge o descumprimento do objeto imediato da obrigação, podendo ser uma prestação positiva (fazer e dar) ou negativa (não fazer).

Pela regra do artigo 389 do Código Civil, em não sendo cumprida a obrigação, responde o devedor por perdas e danos, mais juros e atualização monetária conforme índices oficiais regularmente estabelecidos, além de eventuais honorários advocatícios.


Nota do Editor: Carla Graziela Porto, colaboradora do escritório Giovani Duarte Oliveira, responsável pelo setor de Cobrança. Graduada em Processos Gerenciais e graduanda em Direito.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "DIREITO E JUSTIÇA"Índice das publicações sobre "DIREITO E JUSTIÇA"
20/05/2018 - 07h21 O legado da Copa do Mundo no Brasil
19/05/2018 - 08h28 Como vender um bem de um familiar curatelado?
16/05/2018 - 05h03 Declaração Prévia de Vontade para o Fim da Vida
04/05/2018 - 06h36 Compras com cartão de crédito
03/05/2018 - 05h02 Juizado Especial Cível: breves considerações






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.