23/07/2018  10h26
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
13/03/2018 - 05h16
Não encoste no poste
Marli Gonçalves
 

Não encoste em lugar algum porque tudo pode estar eletrificado e dar choques, terríveis como os que a gente toma a cada vez que recebe uma conta, vai ao mercado, ou escuta “eles” (bem abrangentes) falarem que está tudo controlado, que gerundicamente estarão tomando providências, estarão investigando, resolvendo. Ando no geral muito cansada de mentiras e elas não param de chegar de todos os lados e nos chocar

Tudo bem que não são só as mentiras que nos põem de cabelo em pé. As verdades dos fatos também não são de brincadeira. Não dá mais para parar nem para protestar – acredito até que é por isso que as ruas estão bem vazias, só juntam uns montinhos aqui e ali, na porta de algum prefeito, de algum órgão público. Dá até tédio. Quem está podendo, na real, sair e lutar por um mundo melhor? A cada noite parecemos Penélopes esperando o nosso Ulisses. Tecemos esperanças durante o dia, aos olhos de todos, e à noite todo o trabalho é desmanchado pela verdade: o guerreiro não chega, e nem parece estar a caminho. Não há heróis, e os bandidos se largam fácil e rápido de suas celas; isso quando chegam a entrar nelas.

Não escore seu corpinho em lugar nenhum porque além do choque estará sujeito a ser arrastado por alguma enchente, roubado quando se distrair e estiver usando o celular. Ou preso por vadiagem, isso especialmente se estiver no agora patrulhado Rio de Janeiro, onde o ir e vir em determinadas regiões, digamos, está prejudicado. Quem mora nos morros tem de fazer check-in e check-out, abrir a bolsa e os pacotes para revista, sorrir para a foto e rezar para que não apareça nada em sua ficha geral, cidadão.

Por enquanto está igual a enxugar gelo. Não impede nada, nem que você não seja eletrocutado e, ao invés de socorrido, ainda seja roubado como aconteceu com o músico do Afro Reggae morto lá essa semana. Não há respeito a mais nada, nem a fardas, das quais convenhamos já estivemos fartos. Podemos acompanhar os tiroteios diariamente via alguns aplicativos que surgiram, justamente para monitorar a violência.

Na geral, os ânimos também vêm dando choque. Estamos tão atrasados que, embora já estejam alinhados no horizonte mais de duas dezenas de candidatos à Presidência, o debate se resume a uma tal direita e esquerda que idiotiza tudo, teimando em dividir como quando a gente faz uma risca no cabelo. Sempre sobra um fiozinho teimoso para lá e outro para cá. Nenhum diz exatamente ao que veio, a não ser lengalengas, Nhem Nhem Nhem. Não me peçam exemplos, que vocês já estão cansados de ver e tem até um paspaquera que acha que a vida se resume a armas, aproveitando os medos que sentimos. Ainda estamos ameaçados pela criação e instalação de mais postes com fios desencapados para preencher buracos.

Há uma evidente desigualdade, e uma minoria aproveita para se dar bem melhor ainda a cada hora que passa. Contratando mal, pagando mal, explorando, aproveitando a necessidade alheia, não apoiando a produção, apenas na especulação. Desmerecendo quem trabalha e precisa, que acaba agarrando qualquer coisa com unhas e dentes, como seres primitivos. Vivemos batalhas de uns contra os outros.

Não me entendam mal, mas tive de recolher meu otimismo nos últimos tempos, como observadora atenta por vários ângulos. Cansada de ver triunfar só as nulidades, “de tanto ver triunfar as nulidades de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, que o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.” Rui Barbosa, se de onde está pode acompanhar algo, deve estar bobo de ver que passa século, entra século, assim é.

Acabo de ver uma metade de uma melancia sendo vendida a 14 reais. Uma amiga querida padece e morre lentamente no leito de um hospital público e já aparece gente e parente distante cobrando contas atrasadas. Dá vontade de não querer ver é mais nada.

Mas nem para fechar os olhos se tem mais sossego. Não há onde se escorar, encostar; apenas se deixar levar.

Brasil, 2018


Nota da Autora: Marli Gonçalves (marligo@uol.com.br), jornalista – Consciente do inconsciente coletivo e de seu grau de insanidade. Fonte: marligo.wordpress.com

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
23/07/2018 - 07h17 Neymar, o herói das cavernas
22/07/2018 - 07h25 Variantes invariáveis, intermináveis?
20/07/2018 - 06h58 Ferir por ferir
19/07/2018 - 05h30 A velhinha e o celular
18/07/2018 - 05h30 Falsos solitários
17/07/2018 - 05h33 Nossa derrubada Torre de Babel






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.