15/08/2018  19h39
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
12/02/2018 - 07h25
A nova onda tecnológica
José Pio Martins
 

Buckminster Fuller, visionário e cientista multifacetado, costumava chamar a atenção para a diferença entre o cérebro e a mente. Ele dizia que o cérebro vê os objetos tangíveis, mas só a mente pode enxergar o que não é tangível nem perceptível aos olhos. Porém, para enxergar o que não é tangível e compreender suas propriedades, há complexidades científicas e técnicas que exigem uma mente treinada na educação, na pesquisa e no conhecimento. Um dos objetos não tangíveis é o futuro e tudo que ele trará, especialmente a nova onda tecnológica.

Não é fácil saber para onde o futuro conduzirá a humanidade, mas dá para imaginar certas ocorrências que serão inevitáveis, sobretudo porque muitas são consequências de fatos e situações do presente. Tanto no plano individual como no social, há um turbilhão de mudanças em ebulição que vão explodir de forma irremediável, e afetarão nosso modo de produção, trabalho e bem-estar. Quem deseja participar da nova onda precisa estar preparado, primeiro para enxergá-la e, segundo, para compreender o que é e quais suas consequências. A partir daí, fica mais fácil traçar o plano de carreira e sobrevivência.

Fuller dizia que “você não pode se desviar de coisas que não vê movendo em sua direção”, e dava como exemplo a substituição do cavalo pelo automóvel. Leonardo da Vinci – para mim, o maior gênio que já passou pelo planeta – projetou um triciclo em 1478, movido a corda, como um relógio, mas coube a dois engenheiros alemães, Karl Benz e Gottlieb Daimler, já perto de 1900, a viabilização do automóvel de combustão interna. Na época, muitos acreditavam que o automóvel seria uma novidade passageira, uma coisa de ricos.

Simultaneamente, surgiu a indústria do petróleo, e o automóvel substituiu o cavalo como transporte de massa e foi a tecnologia que fez a transição do transporte da Era Agrária (o cavalo) para o transporte da Era Industrial (o carro com motor). A consequência – uma onda que a maioria não viu – foi uma montanha de prejuízos à criação de cavalos, que perderam valor de mercado. Se naqueles anos o automóvel foi resultado de uma longa e lenta evolução, hoje as mudanças são rápidas e profundas.

Há muito modismo por aí, e muitas inovações vão dar em nada, especialmente nessa febre de disrupção – ou disruptura, como querem alguns, já que esse substantivo vem do verbo “derruir”, que significa desmoronar, destruir. Entretanto, o que vai sobrar de novas tecnologias, novos inventos e inovações será suficiente para balançar os alicerces de empresas, processos, funções, trabalho e emprego.

Até há pouco tempo, as grandes mudanças tecnológicas e as inovações se davam precipuamente nas atividades produtoras de bens físicos e tangíveis, sobretudo na agricultura e na indústria. Agora, a nova onda que está se formando e vindo em nossa direção vai atingir amplos setores que produzem serviços intangíveis. Educação, saúde, lazer, telecomunicações, segurança, justiça e mais uma lista de serviços não escaparão da revolução tecnológica e das inovações prestes a explodir e inundar o mercado.

Tentar fugir ou retornar ao nacionalismo xenófobo é um erro de graves proporções, que talvez nem os mais atrasados esquerdistas vão defender, como fizeram nos anos 70 apoiando a trágica lei de reserva de mercado da informática brasileira; esta proibia a importação de computadores e qualquer equipamento contendo componentes eletrônicos, vetava a compra de tecnologia internacional e não permitia que produtores estrangeiros viessem produzir suas máquinas no Brasil. Não havendo espaço para esse tipo de política, é melhor que governos, empresas e trabalhadores se preparem para enfrentar as mudanças. Antes, porém, é preciso conhecê-las, estudá-las e saber como se ajusta a elas.


Nota do Editor: José Pio Martins, economista, é reitor da Universidade Positivo.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
15/08/2018 - 07h15 À direita, volver
15/08/2018 - 07h11 Candidatos militares e policiais
14/08/2018 - 05h52 O novo senhor da vida
14/08/2018 - 05h48 Discurso de ódio e hipocrisia
13/08/2018 - 07h30 Comércio e convivência pacífica
13/08/2018 - 07h26 A Petrobras para os brasileiros






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.