19/11/2017  10h15
· Guia 2017     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Opinião
12/11/2017 - 07h13
O estrago que Freud fez à arte e aos poetas
Amadeu Roberto Garrido de Paula
 

Toda arte seria uma expressão do recôndito pessoal. O poeta só exprime seus sentimentos pessoais. Não existe poeta que não seja um narcisista, neurótico, psicótico etc. Todos se enquadram num dos símbolos mórbidos que o grande Deus de Viena criou, do modo mais arbitrário possível, de seu apartamento ou de seu consultório. Ser poeta é ser emotivo, doente e expressar só o que vem de sua alma, não o que vem do inconsciente coletivo e os meandros objetivos do mundo. Esse foi o grande pai da psicologia.

Quanta diferença de Jorge Luis Borges, segundo o qual o verso admirável é aquele que narra um fato do mundo físico e procura dele extrair significados não aparentes. 

Como sabem, a poesia no mundo antigo era um jornalismo mais interessante, que dava a todos os fatos, seguidos de seus significados, ainda que mágicos, interferidos por Deuses, narrava o que hoje está em modo, a resiliência, o poder de renascer das cinzas, Fênix nas circunstâncias mais adversas, na terra ou no mar. O homem se completava na natureza e se agitava como as árvores. Esse é o mundo. Assim como as árvores têm suas raízes, os homens também as têm, é o inconsciente, e uma minoria é doentia, enquadrável nas arbitrariedades do "incontestável mestre de Viena". As raízes humanas, em geral, ao contrário, são sadias. Generalizar a morbidez é matar a humanidade. Muitos se envergonharam de ser poetas, de ter sentimentos exacerbados, fundados, não raro, em frustrações sexuais e outras, opressão da mãe ou do pai na infância etc. Édipo, Electra e outros demônios. Tudo gerado arbitrariamente pelas categorias incontestáveis do deus Freud.

Em verdade, o poeta é o intérprete dos sentimentos coletivos inexpressos em palavras, que ele procura encontrar em suas escavações da linguagem. Felizmente, tivemos Jung, para romper com Freud e demonstrar a imprestabilidade dessa doutrina psicológica reducionista. Citemos apenas ligeira passagem do médico e filósofo suíço (que rejeitava a qualificação de filósofo):

“A técnica de interpretação freudiana, enquanto permanecer sob a influências de suas interpretações unilaterais e, por isso, falsas, é de uma arbitrariedade óbvia.

Para fazer justiça à obra de arte, a psicologia analítica deverá despojar-se totalmente do preconceito médico, pois a obra de arte não é uma doença e requer, pois, orientação totalmente diversa da médica. O médico tem que pesquisar as causas de uma doença para extirpar, se possível, o mal pela raiz; o psicólogo, porém, deve adotar uma posição oposta em relação à obra de arte. Com relação à obra de arte é supérfluo investigar o condicionamento prévio a que estão sujeitas todas as pessoas em geral. É preciso perguntar pelo sentido da obra. O condicionamento prévio só interessa na medida em que melhor facilitar a compreensão do sentido. A causalidade pessoal tem tanto ou tão pouco a ver com a obra de arte, quanto o solo tem a ver com a planta que dele brota. Certamente poderemos conhecer certas peculiaridades da planta, quando conhecermos as condições de seu habitat. Para o botânico é até um dado importante. Mas ninguém diria que isto basta para conhecermos toda a essência da planta. A insistência no pessoal, seguida de pergunta sobre a causalidade pessoal, é totalmente inadequada em relação à obra de arte, já que ela não é um ser humano, mas algo supra pessoal. É uma coisa e não uma personalidade e, por isso, não pode ser julgada por um critério pessoal. A verdadeira obra de arte tem inclusive um sentido especial no fato de poder se libertar das estreitezas e dificuldades insuperáveis de tudo o que seja pessoal, elevando-se para além do efêmero do apenas pessoal". ("O Espírito na Arte e na Ciência", ob. completa, vol. 15, págs. 61/62).

Por isso, minhas amigas poetisas e meus amigos poetas, todos saudáveis, espécie em extinção, fujam de Freud. Nosso colega Walt Withman já escancarou as erronias de sua tese.


Nota do Editor: Amadeu Roberto Garrido de Paula é advogado especialista em Direito Constitucional, Civil, Tributário e Coletivo do Trabalho e fundador da Garrido de Paula Advocacia. É autor do livro Universo Invisível e membro da Academia Latino-Americana de Ciências Humanas.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "OPINIÃO"Índice das publicações sobre "OPINIÃO"
19/11/2017 - 08h21 Investimentos Brasil - Portugal
19/11/2017 - 08h17 A ganância é um veneno para a mente
18/11/2017 - 08h20 Ética e regras claras como padrão
18/11/2017 - 08h16 Tecnologia e relacionamento
17/11/2017 - 07h17 Iniquidades nada originais
17/11/2017 - 07h13 A troca de ministérios pela reforma da previdência






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2017, UbaWeb. Direitos Reservados.