19/11/2017  10h13
· Guia 2017     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Crônicas
10/11/2017 - 07h15
O cangaceiro
Rangel Alves da Costa
 

Tinha apenas cinco anos de idade quando, de repente, ouviu um barulho do lado de fora do barraco onde sua família morava. E logo os gritos, a correria, o deus nos acuda. Seu pai estava morto a mando do coronel. Não quis vender a tirinha de terra que fazia confrontação ao latifúndio, então pagou com a vida.

“Desde o século XVIII, num Nordeste marcado pelos latifúndios, pelo mandonismo escravocrata e pela submissão do pobre homem da terra, a força de imposição do senhor se dava não só pela arregimentação à sua ordem daqueles fiéis serviçais como, e principalmente, pelo capanga, pelo jagunço e outros ferozes sanguinários. Era um mundo de violência, servilismo e mortes”.

Depois da morte do pai, sua família foi enxotada das vizinhas do latifúndio coronelista sem ter direito de levar sequer um embornal de quinquilharias. Daí em diante seu sofrimento só aumentou. Vivendo de favor em casebre levantado na terra dos outros, ainda criança passou a se submeter a verdadeira crueldades. Tinha que trabalhar feito homem feito, desde o amanhecer, debaixo do sol e da chuva, ora limpando mato com enxadeco ora se lanhando nos espinhos em busca de bicho desgarrado. Um dia não conseguiu encontrar a novilha e foi ameaçado pela chibata do feitor.

“As misérias tantas que se alastravam pelo Nordeste, ao lado dos descontentamentos de alguns pelas perseguições e opressões dos senhores donos do latifúndio e do mundo, foram semeando não só a desesperança como a discórdia. Até mesmo os malfeitores expulsos das terras coronelistas agora se viam sem serventia alguma. Ora, aquele mundo nordestino era seu, mas as condições de vida não, pois relegados à condição de vermes imprestáveis. E quando os ódios apimentaram os olhos em fúria, uma raça violenta já estava pronta para o combate”.

O meninote prometeu ao feitor a morte certa acaso aquela chibata caísse sobre seus ombros. Mas o troco recaiu sobre sua irmã, que foi estuprada e morta pelo mesmo covarde capataz. Sua mãe não suportou a dor e da vida despediu-se entre gritos espantosos. Não lhe restando mais nada, ele pegou a estrada e desandou pelo mundo. Já estava homem feito quando colocou a última mão de barro num casebre de beira de estrada. E ali arranchado depois de ter ganhado uma tarefa de terras de seu patrão. Quando este se mudou, então logo chegou forasteiro rodeado de capangas e se dizendo dono daquilo tudo.

“Os temerários, com sangue no olho e arma de todo lado, já não estão apenas sob as ordens do latifundiário, do poderoso. Agora estavam agrupados dentre eles mesmos, fazendo valer suas valentias não só pela paga do serviço como contra as tantas injustiças que faziam vítimas palmo a palmo daqueles sertões. Homens sem rumo e sem destino tomavam as estradas, rumavam pelos matos, aparecendo somente quando os reclamos sertanejos exigissem ou para espalhar o medo e o terror perante seus antigos algozes”.

O casebre se desfez ao chão como brinquedo de barro. Ele foi amarrado, foi açoitado e lanhado no corpo inteiro. Por três vezes teve a ponta da arma na sua testa. Fechou os olhos e se fez pronto para morrer. Até era melhor morrer do que passar por tamanha situação. Mas enquanto estava de olhos fechados, por dentro, com as forças que lhe restavam, jurava que se dali saísse com vida iria vingar cada gemido calado e cada grito silenciado. Iria ser cangaceiro, se prometeu.

“O século XVIII terminava e o XIX já despontava com chefes de grupos ou bandos reunidos com o nome de cangaceiros. Mas somente o século XX viu surgir o maior dos cangaceiros. Cangaceiro por carregar a canga da desvalia humana, por carregar nas costas o sofrimento das injustiças, por ter sobre seu corpo os fardos da opressão. Nomes como José Gomes Cabeleira, Lucas da Feira, Jesuíno Brilhante, Antônio Silvino, Sinhô Pereira, Virgulino Lampião e Corisco, este o último chefe de bando. Homens destemidos, arregimentando outros homens, não em busca de motivações para a luta, mas para combater o mal que os poderes e poderosos já haviam disseminado pelos sertões”.

Então, ainda amarrado, com o sangue já secado das feridas abertas, ele viu um urubu se aproximar. Em seguida veio um gavião. Tudo carnicento. Teria seus olhos furados e seu corpo pinicado se num impulso de última força não tivesse conseguido se soltar da corda. Saiu rastejante e se escondeu na mata. Bebeu da água da folha e comeu a própria folha. Quando teve forças logo buscou tomar seu destino. Foi ser cangaceiro.

“Ninguém nasceu para ser cangaceiro. Ninguém cresceu para ser cangaceiro. Ninguém se tornou cangaceiro por achar maravilhosa aquela vida entre espinhos e carrascais, sob constante ameaça dos mosquetões. Foi o Estado e suas forças de poder que fizeram surgir o cangaço e o cangaceiro”. Inclusive ele.


Nota do Editor: Rangel Alves da Costa é poeta e cronista. Mantém o blog Ser tão / Sertão (blograngel-sertao.blogspot.com.br).

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CRÔNICAS"Índice das publicações sobre "CRÔNICAS"
19/11/2017 - 08h19 Vestibular
17/11/2017 - 07h15 Os rifles
16/11/2017 - 06h45 Solteiro sim, sozinho também
15/11/2017 - 06h41 A arte de bem amar
14/11/2017 - 08h48 Fim da picada - Onde Totonho foi tentado
14/11/2017 - 08h44 Ziquizira Brasilis






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2017, UbaWeb. Direitos Reservados.