21/07/2018  20h25
· Guia 2018     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Geral
05/11/2017 - 06h53
Ansiedade além de prejudicar, pode matar
 
 
Segundo especialista, ansiedade prejudica muito a qualidade de vida dos pacientes

Dá para se pensar que alguns de nós carregamos desde o nascimento alguma tendência genética ao nervosismo. Na verdade, a resposta para todas estas questões vem do lado emocional e se chama ansiedade. Ela é responsável por esse sentimento que toma conta de algumas pessoas, não deixando que se sintam seguras, confiantes e tranquilas.

Segundo o psicólogo e psicanalista Eraldo Medo (www.eraldomelo.com), “para se identificar quando a ansiedade em uma pessoa é normal ou patológica, algumas considerações precisam ser mensuradas como a intensidade com que ocorrem as manifestações, a sua duração e o grau de limitação que ela impõe ao paciente”, explica. Na última década, pesquisadores passaram a considerar que, independente dos fatores que provocam a ansiedade, o transtorno se deriva de uma resposta dos circuitos elétricos do nosso cérebro.

O medo é algo comum e protege as pessoas de diversos perigos. No entanto, “quando a sensação de angústia é permanente, gera reações físicas e atrapalha atividades cotidianas, é preciso averiguar se a ansiedade ganhou um patamar patológico. Esta, gera além da falta de sono, gastrites extremas que podem se tornar úlceras e até câncer. O indivíduo passa a viver de modo automático, com uma preocupação que antecede o acontecimento, obtendo dores no corpo que se tornam psicossomática e também perda de concentração”, ressalta o especialista.

O tratamento inclui o uso de antidepressivos e ou ansiolíticos, sempre sob orientação médica. O tratamento farmacológico, como em qualquer transtorno crônico, é prolongado e deve ser mantido por seis a doze meses, porém nem sempre é necessário tratamento a longo prazo, vai depender de como o paciente reage ao uso da medicação. “Além da medicação é importante fazer terapia, para tratar as causas da ansiedade, o que te leva a ficar muito ansiosa, porque, como lidar e resolver essas situações”, finaliza ele.

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "GERAL"Índice das publicações sobre "GERAL"
21/07/2018 - 08h13 Plano de carreira é estar pronto
21/07/2018 - 08h08 Considerações sobre a Reforma Trabalhista
16/07/2018 - 05h37 Geração Z é mais vulnerável à fake news
16/07/2018 - 05h35 16 de julho, Dia do Comerciante
15/07/2018 - 07h56 Recém-formados
15/07/2018 - 07h52 Guia das olheiras






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2018, UbaWeb. Direitos Reservados.