28/06/2017  00h41
· Guia 2017     · O Guaruçá     · Cartões-postais     · Webmail     · Ubatuba            · · ·
O Guaruçá - Informação e Cultura
O GUARUÇÁ Índice d'O Guaruçá Colunistas SEÇÕES SERVIÇOS Biorritmo Busca n'O Guaruçá Expediente Home d'O Guaruçá
Acesso ao Sistema
Login
Senha

« Cadastro Gratuito »
SEÇÃO
Cidades
04/06/2017 - 07h26
Pesquisa revela crise no transporte público urbano
 
 
Levantamento foi realizado com 225 empresas, em 115 municípios

Quase 30% das empresas (29,1%) de ônibus urbano têm dívida superior a 40% do faturamento anual, de acordo com pesquisa divulgada na manhã da quinta-feira (1), em Brasília, durante o seminário "Transporte público urbano: desafios e oportunidades". O endividamento médio do setor é de 33% do faturamento anual.

O levantamento foi realizado pelo Instituto FSB Pesquisa com 225 empresas, em 115 municípios, de 23 de março a 12 de maio.

"Nos últimos 20 anos, o setor tem perdido demanda, produtividade e sofre com a ausência de políticas públicas para socorrê-lo", disse o presidente da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Otávio Cunha. Segundo a entidade, a queda de demanda de passageiros de 2015 para 2016 se manteve acima de 8%.

O seminário foi promovido pelo jornal Valor Econômico, em parceria com a NTU, para discutir a grave crise financeira das empresas de ônibus urbano no país e, diante disso, como atender às demandas dos passageiros por preço justo e transporte de qualidade.

Para o setor, esses anseios não vão se concretizar enquanto a tarifa continuar sendo a única fonte de financiamento do sistema. A esperança é que o Congresso aprove a Cide Municipal, um tributo sobre a venda a varejo de gasolina, etanol e gás natural veicular.

A cobrança ocorreria diretamente no preço pago pelos consumidores no momento em que abastecem seus carros particulares nos postos. O valor arrecadado iria para um fundo usado exclusivamente para custeio do transporte público.

A ideia, segundo a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) - autora da proposta -, é criar novas fontes de recursos para o setor e dividir, de forma justa, os custos deste serviço fundamental para a maior parte da população.

A proposta foi aprovada por unanimidade em comissão especial da Câmara e agora depende de votações nesta Casa e no Senado.

Curitiba

Dificuldades financeiras também afetam as empresas de ônibus de Curitiba. Estudo feito pela EY (Ernst & Young), a pedido das operadoras, apontou que, devido ao desequilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão, o saldo devedor dos investimentos das empresas, que deveria estar em R$ 545 milhões, foi acrescido de R$ 755 milhões, chegando a R$ 1,3 bilhão, no período entre 2010 e janeiro de 2017.

"As dificuldades das empresas no Brasil são relativamente as mesmas que a gente enfrenta em Curitiba. Precisamos, junto com o Poder Público, encontrar soluções", disse o diretor-executivo das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana, Luiz Alberto Lenz César. "O cenário é desafiador, mas, se não acharmos uma saída, corremos o risco de pôr em xeque a mobilidade nos centros urbanos."

PUBLICIDADE
ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES SOBRE "CIDADES"Índice das publicações sobre "CIDADES"
24/06/2017 - 07h21 É hora de cuidar da poda das árvores urbanas
19/06/2017 - 07h37 Smart Cities: cidades cada vez mais inteligentes
06/06/2017 - 06h55 Resgate dos valores pagos como `taxa de incêndio´
22/04/2017 - 06h57 61º Congresso Estadual de Municípios
29/03/2017 - 06h49 A calamidade financeira dos municípios






· FALE CONOSCO · ANUNCIE AQUI · TERMOS DE USO ·
Copyright © 1998-2017, UbaWeb. Direitos Reservados.